SE VOCÊ NASCEU PARA SER UM PÉ DE IPÊ AMARELO...

Há quatro anos moro em uma casa na qual a sala tem o pé direito duplo e um janelão retangular rasgando a parede de cima para baixo. Lá do outro lado, na calçada da rua, bem em frente ao janelão há um Ipê Amarelo. Ele sempre perde as folhas no outono e nunca floresceu na primavera. Deito no sofá da sala e fico contemplando o pé de Ipê, imaginando o dia em que ele florescerá completamente e como isso alegrará o meu coração.


Além do Ipê Amarelo, aqui na rua temos uma vizinha que sabe da vida de todos que moram no condomínio, ela sabe, inclusive, da vida do meu pé de Ipê Amarelo. Ela disse que, ainda jovem, foi derrubado por uma tempestade, então foi replantando e cresceu todo tordo. Todos pés de Ipê do condomínio dão flores, menos o meu.


No último outono, ele novamente perdeu todas as folhas, ficou com seus galhos nus ao sol. A vizinha bem informada sugeriu que o cortássemos, uma vez que ele suja muito a rua e não dá flores. Como de costume deixei-a falando sozinha.


No sábado fiquei deitada no sofá olhando para o meu pé de Ipê desnudado e pensei: “Um dia desses ele dará flores”. Fui dormir e quando acordei no domingo, lá da sacada do meu quarto vi que haviam meia dúzia de flores amarela no meu pé de Ipê, desci as escadas correndo, meu coração estava em festa. Enfim, ele me presenteou com meia dúzia de flores amarelas, e foi o suficiente para alegrar o meu dia e me fazer filosofar.


Fiquei pensando que se você nasceu para ser um Ipê Amarelo não importa o que acontecer o seu destino se cumprirá, mesmo que o outono derrube todas as suas folhas, ele não roubará a sua essência, a despeito do vento, do frio, da seca ou dos temporais você voltará a florir porque ninguém pode roubar seu mundo interno.


2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Guilhermina Soares de Freitas parou na frente do espelho e ao procurar por sua imagem deparou com uma outra desconhecida. Olhou para trás e não havia ninguém no quarto além dela mesma. Pensou: "Trocar